"Eu sou um intelectual que não tem medo de ser amoroso, eu amo as gentes e amo o mundo. E é porque amo as pessoas e amo o mundo, que eu brigo para que a justiça social se implante antes da caridade."

Paulo Freire.

Pesquisar neste blog

Carregando...

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Pedagogia hospitalar e resiliência: orientações curriculares a partir da experiência do Hospital Varela Santiago de Natal







Alguns indivíduos conseguem ter um desenvolvimento psíquico e social “saudável” – com relação ao seu contexto sócio-histórico de referência e/ou ao equilíbrio entre dimensão cognitiva, afetiva, corporal e relacional - após golpes que estilhaçaram o seu universo sensorial e simbólico. Esta faculdade tem sido batizada pelas ciências humanas de resiliência. Boris Cyrulnik (2004, 2005 e 2006) mostra que para que se produza um trauma é necessário que um acontecimento – uma saliência significativa, que se torna tal em virtude das predisposições sensoriais de cada indivíduo (CYRULNIK, 2005) - destrua o universo de sentido estruturado pela pessoa a partir das interações construídas nos seus primeiros anos, e sucessivamente que a representação deste acontecimento lhe confira um significado doloroso (2004). As principais chaves para a promoção da resiliência são vínculo e sentido (CYRULNIK, 2005). Este último é sempre o produto de uma construção intersubjetiva, alheia a qualquer determinismo ou causalidade linear, na qual intervêm múltiplos fatores: a presença ou ausência de figuras de apego significativas, a possibilidade de expressar ou encenar a própria experiência para ressignificá-la, entre outros. A hospitalização e a improvisa irrupção na vida da criança de procedimentos invasivos representam uma ruptura dramática de seu universo de sentido estruturado, até então, ao redor da vida familiar e um começo de vida escolar e comunitária. Sendo o encontro a principal condição estruturante de nossas representações e emoções (CYRULNIK, 1999, 2005; GOLEMAN, 2006), o educador pode desenvolver um papel determinante na promoção de resiliência na criança, inclusive a hospitalizada, se souber construir com ela vínculos afetivos significativos (CYRULNIK, 2005) e fornecer-lhe a oportunidade de representar sua história para ressignificá-la (CYRULNIK, 2005).




O atendimento pedagógico hospitalar se torna um fator promotor de resiliência ao gerar a percepção de que o hospital e a sociedade acreditam na volta ao mundo da criança enferma. A continuidade da escolarização cria esperança, uma perspectiva de vida. Cyrulnik (2005) mostra que uma simples atitude do educador pode modificar a trajetória de um educando. A experiência da equipe pedagógica do Centro de Oncohematologia Infantil (COHI) do Hospital Varela Santiago de Natal, Rio Grande do Norte, mostra que e a brincadeira, a capacidade das educadoras de manter a alegria no fazer educacional e o estabelecimento de vínculos afetivos com as crianças internadas, ao avivar nestas últimas a chama da esperança de cura, incentivam a resposta positiva do organismo aos tratamentos, amenizam o sofrimento físico e psíquico e aumentam a vontade de viver, de brincar e de aprender. O planejamento pedagógico da equipe do COHI tem considerado a situação individual de cada educando, tendo em conta sua escolaridade e procedência. Exploraram-se temas cognitivos diferentes com cada criança, a partir de uma avaliação da zona de desenvolvimento proximal delas, isto é, dos conteúdos que cada uma tem a potencialidade de aprender (VYGOTSKY, 2007). Este respeito pelas potencialidades de cada aluno reforçou sensivelmente a auto-estima dos educandos. Atualmente, está sendo planejada uma atividade inspirada em Freinet (1985 apud AZEVEDO, 2008): o incentivo à redação de um “livro da vida” por parte de cada criança, não apenas como ferramenta para estimular o desenvolvimento da escrita e da leitura, mas como possibilidade de ressignificar a própria experiência e socializar os próprios relatos (CYRULNIK, 2005).












VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
 http://redesocial.unifreire.org/el_condor76/pedagogia-hospitalar-e-resiliencia-orientacoes-curriculares-a-partir-da-experiencia-do-hospital-varela-santiago-de-natal



Nenhum comentário:

Postar um comentário